Rússia promete lançar vacina contra Coronavirus no mês que Agosto de 2020. O mundo inteiro aguarda 6

A corrida dos cientistas para lançar uma vacina contra a Covid-19 ganha um novo competidor de peso, que sai na frente: a Rússia.
O país anunciou nesta segunda, 13, que o imunizante desenvolvido por lá passou nos testes. Assim, a Rússia passa a ser o primeiro país do mundo a concluir testes em humanos.

“A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura”, disse Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisa clínica da Universidade Sechenov, à agência de notícias russa TASS.
Com isso, a previsão é que o imunizante seja registrado e entre em “circulação civil” entre os dias 12 e 14 de agosto.

Já o início da produção em massa é aguardado até setembro, por parte de empresas privadas.

Controvérsias

A corrida da Rússia em anunciar uma vacina, com apenas dois meses de testes, tem feito especialistas torcerem o nariz.
Eles criticam a forma acelerada como o país vai colocar o imunizante no mercado, sem fazer mais testes e sem esperar pra ver a reação do corpo humano ao medicamento.

Os testes começaram em junho e envolveram dois grupos.

O primeiro tinha 38 voluntários saudáveis, com idades entre 18 e 65 anos.

Na mesma época, 47 militares russos iniciaram um outro ensaio clínico paralelo de dois meses com mesma vacina, desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa Gamalei para Epidemiologia e Microbiologia.
Todos os voluntários passaram 28 dias isolados para protegê-los da exposição a outras infecções.
Os testes mostraram que eles formaram uma resposta imune após as injeções e não desenvolveram nenhuma reação atípica.
Alguns tiveram apenas dores de cabeça e uma temperatura corporal elevada, que 24 horas depois.

A doença na Rússia

A Rússia tem o quarto maior número de infecções por coronavírus do mundo.
Está atrás dos Estados Unidos, Brasil e Índia.
Até o momento, o país tem 732.547 casos e 11.422 mortes, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

Vacinas no mundo

Atualmente, existem pelo menos 21 vacinas em estágio mais avançado de testes em humanos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).
Duas delas estão no Brasil: a de Oxford e a do Butantan, ambas na fase 3 de testes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui