Covid-19 apresenta estabilização na Grande Vitória, mas aumenta casos no interior, diz secretário

Nésio Fernandes acredita que o mês de julho pode representar o início da fase de recuperação da doença no Espírito Santo

Os números de casos da covid-19 no Espírito Santo apresentam distinção entre as cidades da Grande Vitória e os municípios do interior do estado. De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, a região Metropolitana, com destaque para a capital, mostram estabilização da doença. Enquanto isso, casos aumentam nas demais regiões.

O secretário afirma que os novos números são resultado do aumento da testagem da população e que o mês de julho pode ser de boas notícias. “Temos uma situação muito preocupante em Linhares, Colatina, Cachoeiro e cidades do interior. Há um crescimento dos casos. Em Vitória, temos um fenômeno que aponta uma estabilização da doença. Podemos viver em julho o início de uma fase de recuperação”, disse.

Fernandes destacou ainda que a capacidade de testagem tem mostrado um resultado satisfatório, que, futuramente, será possível trabalhar de uma melhor foma em possíveis novos surtos da doença. “Essa capacidade de testagem será muito útil para aquele momento de recuperação da pandemia. Na fase em que nós passemos a viver uma fase semelhante à fase de transmissão local. Vamos poder utilizar essa capacidade de testagem para poder investigar novos surtos que possa ocorrer em escolas, locais de trabalho, em algumas comunidades e em algumas infecções de longa permanência”, afirmou.

Outro fator que, segundo o secretário, tem apresentado redução é o da letalidade. Segundo ele, a redução percentual das mortes se deve, também, pelo fato de que houve um aumento na testagem. “Na medida que a gente reconhece um número maior de casos em contato com a doença, o indicador melhora. Na medida que a letalidade vai caindo, vemos que nossa capacidade de testagem vem tido uma estabilização”.

Sobre o inquérito sorológico, em que quatro fases já foram realizadas, o subsecretário em Vigilância de Saúde, Luiz Carlos Reblin disse novas fases estão em preparação. “É fundamental para as ações futuras para o combate em nosso estado. A doença deve permanecer entre nós de uma forma mais tranquila, endêmica, ou em forma de surtos. Ainda não compreendemos como será o formato. A Sesa vai promover o prosseguimento deste inquérito sorológico. Estamos nos preparando. Provavelmente, as etapas seguintes vão ter a adesão dos municípios para compreender o comportamento em sua região”, disse.

Segundo o secretário, pode haver ainda mais seis fases da pesquisa, mas elas serão definidas com base na evolução da doença no Espírito Santo. As datas das primeiras das novas fases serão divulgadas em breve pela Secretaria de Saúde.

Por fim, Nésio Fernandes destacou ainda que não é o momento de relaxar nas medidas de distanciamento social. Ele ressaltou que é importante que quem estiver cumprindo esta medida, permaneça. “O que ocorreu em outros estados é muito perigoso, de afrouxar as medidas. Isso não pode e não deve ocorrer no Espírito Santo. Precisamos preservar vidas. Distanciamento social e isolamento dos sintomáticos são as estratégias mais amplas para evitar a doença”, disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui