Uma ‘Administração” mal sucedida e cheia de escândalos é assim que a administração do prefeito de Ecoporanga vai fechar o ano

Logo no começo (maio) do ano de 2019, o Ministério Público Estadual, deflagou a Operação Pontas Soltas, a operação investigava a emissão de diplomas de graduação e certificados de pós-graduação de forma fraudulenta em diversas cidades do Estado.

Uma das prefeituras atingidas em cheio, foi a Prefeitura de Ecoporanga, administrada pelo então prefeito Dal’Col, cerca de 30 concursados estariam sob suspeitas neste esquema que possivelmente prejudicou outras pessoas que participaram do certame.

Na época o Promotor da Comarca, Geraldo Marques de Abreu Vasconcelos, enviou uma nota recomendatória para que o Prefeito afastasse os envolvidos no caso até que as investigações fossem concluídas. (Operação ainda em andamento).

Em junho, novamente o Ministério Público do Estado volta a cidade de Ecoporanga, dessa vez o escândalo ainda seria bem maior! Dessa vez o nome da operação é: Eco do Inhambu! Deveria ser uma manhã como outra qualquer para o povo de Ecoporanga se não fosse esta operação na Prefeitura, na Secretaria de Meio Ambiente e nas casas de outros envolvidos neste escândalo que chocou a cidade toda! Promotoria de Justiça, Núcleo de Inteligência da Policia Militar do PMES passam a vasculhar a Sede da Prefeitura e na casa do então Vereador Robério Rodrigues Pinheiro vindo a ser preso no dia 06 de junho sob suspeita de participar do esquema criminoso de formação de quadrinha e outros crimes, vejamos, artigo 2º c/c §4º, inciso II da Lei de nº 12.850/2013; artigo 89 e 90 da Lei de nº 8.666/93; art. 321, parágrafo único e artigo 317 c/c §1º c/c artigo 327, todos do Código Penal, na c/c artigo 29 do Código Penal; e tudo n/f do art. 69 do Código Penal.

No dia 09 de agosto era a vez do então secretário de meio ambiente, Thiago Caldeira, vulgo, “Pintinho” ser preso pelos mesmos motivos do então vereador Robério Rodrigues.

O que mais chama atenção em tudo isso, é que no depoimento do vereador Robério, ele diz que conheceu a empresa e seus representantes numa ‘palestra no Tribunal de Contas do Estado’ indagado pelo MP, este pergunta ao vereador que dinheiro era aquele que você pedia para o dono da empresa de lixo? O vereador responde: Era um adiantamento pelos serviços…
Já na escuta telefônica interceptada pelo MP no celular do então secretário de meio ambiente, Thiago Caldeira, o mesmo reclamava e cobrava com um dos donos da empresa alguma coisa… leia parte do relatório do MM Juiz da Comarca de Ecoporanga. “O fechamento do contrato de licitação, correu no dia 23/02/2017, e neste mesmo dia, em uma conversa, o acusado Thiago disse a Richelmi “Você me deu bicho, só trabalho, pelo amor de Deus bicho”.

Contudo, conforme se percebe nos autos, no dia 16/01/2017, em uma conversa entre Richelmi e Cida, estes citam “Pintinho”, se referindo ao acusado Thiago, que precisava de informações. Ademais, consta às 49/51, inúmeras ligações telefônicas entre Thiago e Richelmi. Afastamento das funções públicas (trecho do despacho).

Em tempo, considerando a manutenção da prisão preventiva do réu Robério Pinheiro Rodrigues e a decretação da prisão preventiva do réu Thiago Caldeira Rosa Cabral, o que, por conseguinte, por si só já inviabiliza o execício dos cargos públicos de Vereador e Secretário de Meio Ambiente, bem como o fato de que há indícios nestes autos que os réus utilizaram destes cargos para a prática dos crimes em epígrafe, o primeiro como facilitador para o crime de fraude do contrato 018/2017, pois direcionou juntamente com segundo, contratações para as empresas do grupo criminoso, e, nos cargos que ocupam, poderão influenciar negativamente a instrução criminal, bem como, continuar facilitando a contratação de grupos que usam de agentes públicos para fraudar licitações e, consequentemente os cofres públicos, tenho ser necessária a adoção de medida de afastamento.

AÇÃO : 283 – Ação Penal – Procedimento Ordinário
Processo nº: 0000759-44.2019.8.08.0019
Autor: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO
Réu: RICHELMI NEITZEL MILKE,TASSIAN DOUGLAS LOVO,EDSON ANTONIO ALMEIDA,GUILHERME AFONSO TREVIZANI ALMEIDA, ROBERIO PINHEIRO RODRIGUES e THIAGO CALDEIRA ROSA CABRAL
Os comentários na cidade e as perguntas que não quer calar é uma só: O ‘vereador afastado’ Robério Rodrigues, após a sua liberdade condicionada, já foi visto circulando no carro do prefeito na cidade, Pintinho, um dos braços do prefeito Elias Dal’Col, este praticamente dormia na casa do prefeito, pergunta; Tudo isso aconteceu dentro da prefeitura, uma administração centralizada pelo prefeito Elias Dal’Col, ele não sabia de nada? Mesmo depois desse escândalo, porque o prefeito não exonerou o Pintinho imediatamente? Esperou ser intimado pelo MP para depois tomar tal decisão. Ainda não foi revelado quanto teria sido desviado deste esquema criminoso que lesou os cofres públicos do município.

No mês de outubro, SENTENÇA: JUSTIÇA TORNA INELEGÍVEL PREFEITO ELIAS DAL’COL e A Câmara Municipal de Ecoporanga foi condenada a suspender um decreto legislativo de 2017 que julgou aprovadas as contas do prefeito Elias Dal Col referentes ao exercício de 2012. Com a decisão, ficou restabelecido um decreto legislativo anterior, de 2016. Este, por sua vez, reprovou as contas do mesmo prefeito, por desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal. A rejeição das contas tornou o prefeito inelegível.

A decisão da Justiça decorre de uma Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Ecoporanga, em face da Câmara Municipal. O MPES sustentou que o Legislativo realizou uma manobra política para julgar novamente as contas de Elias Dal Col.

Nas eleições municipais de 2016, Dal Col assumiu novamente município e houve mudanças no quadro de vereadores da cidade. A Câmara realizou um novo julgamento das contas, que, desta vez, foram aprovadas.
Antes dessa votação, o prefeito tentou anular a rejeição das contas na Justiça, mas o pedido foi negado. Por isso, o MPES notificou a Casa de Leis e apontou que a anulação do julgamento da decisão da Câmara, no sistema republicano e democrático de direito, caberia unicamente ao Judiciário, que já havia negado essa anulação.

Diante dos fatos e da aprovação das contas, contrariando a documentação técnica que apontou irregularidades no exercício de 2012, o MPES ajuizou a Ação Civil Pública e pediu a suspensão do novo decreto emitido pela Câmara.

No dia 08 de novembro, o MP abre outra investigação, dessa vez contra o prefeito Elias Dal’Col! Processo investigatório 2019.00338254-31 trata-se de suposto crime cometido pelo então prefeito no dia 31 de outubro, maquinas, tratores, caminhões e dezenas funcionários da prefeitura foram flagrados trabalhando na fazenda Jaqueline e o sítio da Exposição, ambos do prefeito Elias Dal’Col, nas suas redes sociais o prefeito afirma ter retirado somente da sua fazenda mais de MIL CAÇAMBAS DE AREIA! Apresenta uma desculpa que este material seria para cascalhar as estradas do município e facilitar a vida das pessoas (rsrsr) na sua fala ele diz o seguinte; ‘…gente! eu estou doando esse material para o município! É para facilitar a vida da criancinha que precisa vir para escola, para ambulância ir buscar os enfermos, para o agricultor poder transitar melhor etc…eu já fui multado em quatro salários mínimos por tirar esta areia sem licença ambiental, mais agora esta tudo certo! Nós tiramos a licença para fazer isso!’ Desafiado nas redes sociais pelos internautas para mostrar as licenças ambientais, até hoje o prefeito não mostrou. Em outro trecho da fala do prefeito, ele diz o seguinte:…eu me considero talvez o MELHOR FUNCIONÁRIO PÚBLICO DO BRASIL! PODEM FICAR SOSSEGADOS! ESSE PREFEITO AQUI NÃO GOSTA DE FAZER COISAS ERRADAS NÃO!

Falando sobre a saúde no município de Ecoporanga, a atual gestão, apesar dos “gastos” com a saúde, ainda não se viu melhora alguma, o que temos vistos, são postos de saúde sem médicos e sem medicamentos, hospital sem o mínimo de condições para atender a população, vale ressaltar que o municipio repassou para o hospital esse ano, cerca de setecentos mil reais e agora abriu um aditivo de mais quinhentos mil reais, isso sem falar nas emendas federais encaminhadas pela bancada dos deputados federais!
Outra carência vêm da educação, segundo informações, estariam faltando desde material de limpeza nas escolas, bem como merenda escolar, recentemente recebemos queixas de pais de alunos das escolas, que ficam no Córrego do Barbosa e da escola Rural, que, as crianças estariam fazendo suas necessidades no mato! Cadê os Banheiros? Em outubro, o prefeito Elias Dal’Col, gastou cerca de R$ 135.000,00 (cento e trinta e cinco mil reais) com parque para as ‘criancinhas’ que ele tanto ama, dinheiro que poderia ser utilizado na compra de remédios e outras necessidades das criancinhas de Ecoporanga. Nada contra a diversão das crianças” entretanto a saúde em primeiro lugar.

Pelo visto o ano de 2019 esta terminando mostrando a realidade da atual gestão do prefeito Elias Dal’Col, ano que vêm, 2020 promete…..quem viver verá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui